Como tudo começou

taubate-1950

Em meados de 1950 houve um aumento significativo no processo de industrialização do Vale do Paraíba, principalmente com a chegada em Taubaté de empresas como Mecânica Pesada, Máquinas Piratininga, Studenick e Duromet. A instalação de empresas de grande porte na cidade trouxe a mão de obra especializada da Capital e do ABC Paulista, e consigo trabalhadores com experiência no movimento sindical oriunda dos imigrantes europeus. Com o crescimento da categoria em Taubaté, surgiu a ideia da organização dos trabalhadores e a formação de um Sindicato. O primeiro passo foi a criação da Associação Profissional dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Taubaté, o que aconteceu no dia 15 de setembro de 1957.

Primeiras conquistas

primeiras conquistas

No dia 18 de agosto de 1959, o Ministério do Trabalho concedeu a Carta Sindical ao Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté, que teve como seu primeiro presidente José dos Santos e em sua diretoria Hildebrando Aires, Vicente Lopes de Faria, Genésio Estevam do Amorim, João Ribeiro Guedes e Wilson Gonçalves da Silva. Com apoio da Federação dos Metalúrgicos do Estado de São Paulo e as contribuições dos associados, o Sindicato construiu sua sede na Rua Urupês, no bairro Chácara do Visconde, inaugurada no dia 13 de agosto de 1961. Nessa época, o Sindicato lutou por direitos como a Gratificação de Natal para todos os trabalhadores, que posteriormente virou lei em 1962 e hoje é garantida pela Constituição Federal como o 13º Salário. Também era pauta de luta da categoria, a negociação de participação nos lucros das empresas, que hoje também é garantida por lei aos trabalhadores por meio da PLR (Participação nos Lucros e Resultados). Em 1996, o Sindicato dá outro passo importante e decisivo em sua história, com a sua filiação à CUT (Central Única dos Trabalhadores).

57 anos de história

sede-sindicato

O Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté e Região chega aos seus 57 anos como uma das mais importantes entidades do ramo metalúrgico no Brasil, com uma base de cerca de 19 mil trabalhadores e com um dos mais altos índices de sindicalização do país, chegando a 82%. Hoje, o Sindicato busca aprimorar cada vez mais sua atuação em favor da categoria, seja com o respeito ao patrimônio dos trabalhadores, com a inserção do Sindicato na sociedade por campanhas sociais ou com a implementação de políticas de geração de emprego e renda para a cidade e para região.